Paulo de Deus

Moderador
  • Total de itens

    2.312
  • Registro em

  • Última visita

  • Dias Ganhos

    74

Paulo de Deus venceu a última vez em Fevereiro 10

Paulo de Deus tinha o conteúdo mais apreciado!

Sobre Paulo de Deus

  • Rank
    Master Celulares
  • Data de Nascimento 21-08-1989

Informações do Perfil

  • Sexo
    Masculino

Últimos Visitantes

7.544 visualizações
  1. Bom dia, já peguei alguns aqui, o problema era que a na placa principal próximo onde conecta o cabo coaxial estava faltando alguns componentes, em dois casos resolvi com Jumper. Vou deixar uma foto do local para você verificar
  2. Bom dia, aqui amigo: https://www.clansoft.net/dl/index.php?a=downloads&b=file&id=7063
  3. Como toda tecnologia nova, as telas dobráveis chegaram ao mercado cercadas de dúvidas com relação à sua durabilidade. O pré-lançamento desastroso do Samsung Galaxy Fold e seu adiamento após falhas de projeto não ajudaram muito a tirar essa desconfiança. Agora, um teste em vídeo do mecanismo no Motorola Razr 2019 dá uma sensação de déjà vu. Colocado em uma máquina que realiza o movimento de abrir e fechar do aparelho, o Razr 2019 começou a apresentar problemas na “dobradiça” por volta da quarta hora do teste, após cerca de 27 mil aberturas/fechamentos. O mesmo site já havia testado o Galaxy Fold e o aparelho da Samsung resistiu a aproximadamente 120.000 movimentos antes de apresentar danos ao mecanismo ou tela. O vídeo disponibilizado no YouTube mostra que algo no Razr dificultava o movimento, além de fazer ruídos e rangidos que não parecem normais. Importante destacar que o aparelho usado no teste foi comprado pelo próprio site, e que não dá para descartar a possibilidade da unidade em questão ter saído de fábrica com algum defeito. Em todo caso, se usarmos a estatística da Apple de que um usuário médio confere seu celular 80 vezes ao dia, as 27.000 aberturas e fechamentos seriam atingidas em menos de um ano. Ou seja, a durabilidade do Razr, definitivamente, não seria o seu ponto forte, algo grave para um aparelho que custa quase R$ 9 mil no Brasil.
  4. Bom dia, temos essa aqui no Clan Soft: https://www.clansoft.net/dl/index.php?a=downloads&b=file&id=1210 Só não tenho certeza se é a versão que deseja, se quiser testar. Bom trabalho!
  5. A Comissão Europeia aprovou a proposta que pretende obrigar as fabricantes de eletrônicos a padronizarem o carregador de todos os dispositivos eletrônicos. A ideia recebeu o apoio de 582 parlamentares, contra apenas 40 contrários, com mais 37 abstenções. As regras para a indústria serão apresentadas até julho de 2020, especificando o tipo de conector a ser adotado e quais dispositivos devem utilizá-lo. De acordo com a proposta, a ideia é reduzir o lixo eletrônico produzido todos os anos por conta dos milhares de cabos que acompanham smartphones, tablets e outros eletrônicos com bateria recarregável. Com um conector único, cada cidadão poderá comprar um só cabo para utilizar em todos os seus dispositivos. Ou seja, pode ser que os europeus deixem de receber cabo junto com os aparelhos. Porém, é possível que a proposta não trate sobre esse assunto. A ideia, na verdade, é que um consumidor possa aproveitar o cabo de seu antigo dispositivo em um novo, sempre que precisar fazer uma troca. Seja ela por perda, roubo ou fim da vida útil do smartphone tablet e afins. Contrária à proposta, a Apple tentou justificar que, ao contrário do que pretendem os parlamentares, a nova regra poderia aumentar a produção de lixo. Além disso, a Maçã justificou que o conector único travaria a inovação tecnológica. O padrão Lightning, proprietário da empresa, só é utilizado por ela própria, enquanto smartphones e tablets Android cada vez mais adotam o USB-C, com alguns poucos modelos insistindo no micro USB ainda.
  6. Há muito tempo já vem se falando sobre a possibilidade do WhatsApp realizar operações financeiras, como pagamentos e transferências de valores por meio de um suposto WhatsApp Pay. Mas, agora, parece que a funcionalidade está mais próxima do que parece para alguns países. E o Brasil é um deles, segundo o site WABetaInfo, site especializado em notícias - quase sempre certeiras - sobre o mensageiro. O perfil oficial na página no Twitter (logo abaixo) divulgou uma lista de países onde o WhatsApp Pay será ativado em um futuro próximo. Entre eles, está o Brasil, Índia, México, Reino Unido e Espanha. A funcionalidade, inclusive, já foi testada na Índia e, muito provavelmente, deve chegar por aqui até o final desse ano. Em novembro de 2019, o Facebook anunciou o lançamento do Facebook Pay, um sistema de pagamentos usando os mensageiros que estão sob o guarda-chuva da rede social e do qual, claro, o Facebook fazia parte. Ainda que seu funcionamento não tenha sido detalhado para além das fronteiras da Índia, sabe-se que o serviço permitiria adicionar contas correntes e do PayPal. Além disso, ele também poderia operar com a criptomoeda Libra, desenvolvida pelo próprio Facebook, juntamente com outras empresas. No entanto, com a maioria deles abandonando o projeto da moeda digital, é possível que ela sequer apareça na funcionalidade. O Facebook Pay poderia ser usado, por exemplo, para aquisição de produtos em publicações impulsionadas por mídia paga no Instagram; já no próprio Facebook, ele seria usado para doações a causas beneficentes e ONGs, comprar ingressos para shows, além de produtos no Facebook Marketplace. De qualquer forma, para que pagamentos via WhatsApp passem a funcionar por aqui, o Facebook precisa se adaptar aos marcos regulatórios financeiros do país, o que exige negociações com o Banco Central. Logo, o recurso ainda deve demorar um pouco para chegar.
  7. A Xiaomi divulgou mais detalhes sobre seu novo carregador para smartphones, chamado de Super Charge Turbo, com 100W de potência. O dispositivo foi mostrado durante a Xiaomi Developer Conference, em novembro de 2019, para superar o até então primeiro lugar, o SuperVOOC 2.0, da OPPO, que ostenta a potência de 65W. Após revelar que o novo carregador é capaz de encher o tanque de um smartphone de 4.000mAh em apenas 17 minutos, Lu Weibing, executivo da empresa, informou que a tecnologia, na mesma velocidade que dá carga, também tira. Segundo o executivo, com carregamento rápido de 100W, a descarga da bateria pode ser até 20% maior, em comparação com uma carga rápida de 30W - sendo assim, uma bateria de 5.000mAh teria, na prática, 4.000mAh. Em relação à segurança, o executivo não deu muitos detalhes sobre tecnologias e arquiteturas, mas garantiu que a Xiaomi oferecerá vários recursos para que o dispositivo suporte uma carga de 100W com segurança. Isso inclui medidas de proteção para placa-mãe, bateria e sobrecarga, além da exigência de carregamento de voltagem ultra-alta para suportar a tecnologia. Durante a produção do novo carregador, Luz Weibing afirmou que a Xiaomi considerou a capacidade em relação a vários cenários de carregamento, envolvendo o processo com e sem fio. A ideia da fabricante é não só tornar a tecnologia Super Charge Turbo tecnicamente acessível, mas também garantir um tempo de carregamento longo e sustentável. Segundo informado durante o Xiaomi Developer Conference, o carregador ultrarrápido de 100W deve equipar os principais smartphones da marca a partir de 2020, a começar pelos modelos da Redmi.Até o momento, como foi dito acima, o carregador mais rápido disponível no mercado é o SuperVOOC 2.0, com 65W de potência. Ele estreou no recente Oppo Reno Ace, na China, e é capaz de recarregar completamente uma bateria de 4.000mAh em apenas 25 minutos. No Brasil, o smartphone com carregamento mais rápido é o Galaxy Note 10+, com 45W.
  8. Bom dia, amigo aguarde a resposta, não poste varios tópicos com o mesmo assunto
  9. Bom dia, o ultimo que peguei só consegui com box, seguindo esse tutorial do grande amigo @Jesiel Pfeifer: https://www.clangsm.com.br/topic/119167-desbloqueio-frp-do-lg-k9-x210bmw/?do=findComment&comment=452016
  10. Bom dia, por favor faça seu pedido na área correta: https://www.clangsm.com.br/topic/130170-solicite-manuais-técnico-e-esquemas-elétrico-xiaomi-mi-aqui/ Tópico Encerrado
  11. O novo coronavírus vem amedrontando o mundo todo e, especialmente na China, todos os esforços de empresas, públicas e privadas, estão concentrados no isolamento da doença, no tratamento dos pacientes e, claro, no desenvolvimento de uma vacina. E, para que tudo isso possa ocorrer adequadamente, em nível emergencial, é necessário o envolvimento de todos os setores, inclusive o da tecnologia. Assim como outras gigantes, a Huawei vem auxiliando com doações e com sua especialidade, que é a infraestrutura para redes 5G. A Huawei instalou, em tempo recorde, antenas 5G no Hospital Wuhan Vulcan Mountain — vale lembrar que a região de Wuhan é considerada o epicentro da doença. O projeto, realizado em parceria com a Hubei Mobile e a Hubei Unicom, teve início do dia 23 de janeiro e envolveu 150 trabalhadores. Os trabalhos incluíram planejamento, levantamento da obra, construção da rede, colocação de fibras ópticas, montagem de estações-base e efetivação, e foram concluídos em apenas três dias. Além disso, a gigante asiática também estabeleceu uma equipe de proteção especial. Isso inclui pesquisa, desenvolvimento e fornecimento direto para garantir as operações normais do sistema de videoconferência da Hubei Health e o Medical Commission, sistema fundamental que serve como plataforma de consulta para a Comissão de Saúde de Hubei, a Comissão Nacional de Saúde e as equipes de saúde de outras localidades. Com isso, as três principais operadoras da cidade da província de Hubei estabeleceram redes 5G perto do hospital, que assim conta com conectividades muito velozes para acessar e coletar dados, consultar outros casos, monitorar suspeitos e realizar outras tarefas. Outras gigantes também colaboram. A ZTE e a China Telecom estabeleceram um centro de diagnóstico e atendimento remoto com 5G no hospital West China, na cidade de Sichuan, o que permite aos médicos examinar e indicar tratamento aos pacientes por vídeo. Os 27 hospitais que aceitam e tratam pacientes com suspeita de pneumonia pelo novo coronavírus serão conectados ao sistema, o que deve facilitar e agilizar os diagnósticos. A Xiaomi já havia doado máscaras e suprimentos médicos para ajudar a população oriental e a Lenovo tem cedido equipamento de TI. Oppo, Huawei e Xiaomi também doaram pelo menos US$ 4 milhões e a Realme contribuiu com US$ 100 mil na verba para ajudar os infectados.
  12. Bom dia, que bom que tirou sua duvida, obrigado pelo retorno. Sempre lembre de agradecer a ajuda prestada usando o botão com icone de coração no canto inferior direito do post. Obrigado pelo retorno. Tópico será marcado como Resolvido
  13. Boa noite, por favor sempre se certifique de fazer seus pedidos na área correta, nesse caso seria aqui: https://www.clangsm.com.br/topic/28207-solicitação-de-manuais-técnicos-motorola-esquema-elétrico/ Tópico Encerrado