SERVIDOR DE DOWNLOADS PARA TÉCNICOS!

É técnico? Então você precisa estar atualizado com um serviço de downloads exclusivo e profissional. O Clan SOFT é essencial para técnicos que não tem tempo para ficar procurando firmwares, softwares e procedimentos pela internet, como você.

www.clansoft.net/dl/

Entre para seguir isso  
Seguidores 0
Thomas Martins

Falta da planilha de custos deixou PNBL fora do PAC 2

1 post neste tópico

Please login or register to see this image. A expectativa de que o Plano Nacional de Banda Larga (PNBL) estaria entre os projetos da segunda fase do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2) foi frustrada nesta segunda-feira, 29. A ausência do PNBL no programa de investimentos estratégicos do governo foi motivo de diversos questionamentos durante o evento de anuncio do PAC 2. A explicação dada pelo governo é que o PNBL não está pronto e, por isso, não existe ainda uma projeção clara de quanto ele custará para ser implantado.

Como o PAC contém projetos com dotação orçamentária definidas, optou-se por deixar o plano de massificação da banda larga de fora do pacote. "Ainda não há definição sobre o plano. Há detalhes que precisam ser fechados, por isso ele não foi incluído no PAC 2", afirmou o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, após o anúncio do PAC. Esses detalhes envolvem como o plano será implantado e os custos associados ao projeto.

Nas áreas técnicas do governo, a explicação é a mesma: como o presidente Luiz Inácio Lula da Silva ainda não bateu o martelo sobre o modelo de implantação do plano, não haveria como definir os custos com clareza neste momento e o governo achou melhor deixá-lo fora do PAC 2. Fontes ouvidas por este noticiário não veem grande dano na ausência do PNBL no PAC. Isso porque a principal fonte de recursos para o projeto seria o Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações (Fust), desde que o governo consiga a aprovação do PL 1.481/2007, que altera as regras de aplicação do fundo.

Verbas adicionais poderiam vir por meio de emendas orçamentárias, o que não deixa de ser um risco caso o governo não consiga alterar a Lei do Fust e acabe por precisar lançar mão do orçamento para implantar o plano. De qualquer forma, um dos pontos importantes no fechamento da conta é o tamanho da participação privada no PNBL e como ela irá ocorrer. Uma parceria mais ampla com as teles pode suavizar os custos orçamentários do projeto e minimizar os impactos de o plano não ter sido incluído no PAC. Mas ainda não há definição também sobre este assunto.

Também há indefinição sobre as 300 localidades que devem compor a primeira parte de implantação do PNBL. A lista ainda não estaria sendo feita pela Casa Civil, mas alguns parâmetros podem ser aproveitados pelo governo, como os utilizados para o programa Um Computador por Aluno (UCA). Segundo as fontes ouvidas por esta reportagem, a ausência do PNBL no PAC não tem nenhuma relação com os recentes questionamentos sobre a viabilidade de se usar a Telebrás como gestora das redes públicas que servirão de base para o projeto.

Fonte: Teletime

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!


Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.


Entrar Agora
Entre para seguir isso  
Seguidores 0