Governo começará a testar modelo de internet grátis
0

2 posts neste tópico

O Governo Federal iniciou testes para criar um modelo de banda larga ao estilo "0800", em que o provedor do serviço online paga pela conexão do usuários.

A ideia é ter um modelo de internet com tarifação invertida, ou seja, pago pelo site que será conectado para serviços como acesso a bancos, compras ou atendimento ao consumidor.

Please login or register to see this image.

O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, diz que o conceito não foi importado de outros países e que será um modelo “tupiniquim”. “A ideia é tentar desenvolver uma conexão de internet em que a pessoa entra para fazer uma reclamação, pedir atendimento em call center, compras ou operação em um banco. Isso possibilitaria que o cliente dessa empresa fizesse uma conexão que não seria tarifada para ele, e sim para a empresa que franqueou a ligação”, explica.

A região administrativa do Varjão, no Distrito Federal, com cerca de 9 mil habitantes, foi o local escolhido para a realização dos primeiros testes, que serão operacionalizados pelo Ministério das Comunicações, pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI).

Paulo Bernardo explica que a novidade não vai substituir o serviço telefônico gratuito, mas poderá baratear o custo de atendimento ao consumidor para as empresas.

“Se der certo, pode ser uma alternativa, a empresa que tem um call center, onde instala milhares de pessoas para atender, pode colocar um portal para fazer um autoatendimento. Acho que pode funcionar e ser até mais barato”.

O ministro deu como exemplo o caso dos bancos, que poderão franquear o acesso à internet dos correntistas que quiserem fazer transações pela rede. “Os bancos têm muito interesse no uso do home banking, porque economiza e melhora a parte operacional.”

A advogada Maria Inês Dolci, coordenadora institucional da Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (Proteste) avalia que essa gratuidade é importante para que o consumidor tenha acesso a esses serviços, principalmente porque hoje os brasileiros já pagam tarifas elevadas de telefonia.

Ela alerta, no entanto, que o custo de implantação do serviço não pode ser repassado ao consumidor. “Hoje,o consumidor já paga uma das tarifas mais altas entre inúmeros países. É uma questão de acompanhamento efetivo por parte do governo, para que o consumidor não tenha essa gratuidade e acabe pagando tarifas mais caras por conta disso”.

Por Agência Brasil

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Testes do serviço de internet 0800 começam em março, diz ministro

O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, disse nesta terça-feira (14) que começam em março os testes do projeto que prevê a possibilidade de as empresas oferecerem aos clientes conexão gratuita à internet para uso em serviços, a chamada internet 0800.

De acordo com ele, os testes serão realizados na comunidade do Varjão, em Brasília. Se tiverem os resultados esperados, as empresas do país poderão adotar o serviço para fazer a comunicação com seus clientes.

Bernardo apontou que o alvo do programa são as famílias que possuem pacote de conexão à internet com limite de download. Nesses casos, quando o cliente atinge esse limite a velocidade da conexão cai e, para restabelecê-la, precisa pagar mais.

“A gente sabe que, em muitos casos, as empresas vendem pacotes com limite [de download]. Então as pessoas vão poder fazer as suas consultas em sites de bancos ou sites de compra sem consumir a sua internet”, disse.

Segundo o ministro, para acessar o serviço 0800 as pessoas não precisarão ser assinantes de internet banda larga. Bastará conectar o computador, por exemplo, em uma rede sem fio gratuita.

Desoneração

O ministro disse ainda que deve ser publicada em março a medida provisória que vai desonerar a construção de redes de telecomunicações no país.

A medida, que visa acelerar o avanço da infraestrutura no setor de telefonia e internet por meio de redução de imposto de equipamentos e de construção civil, deveria ter entrado em vigor em janeiro. De acordo com Bernardo, porém, o Ministério da Fazenda pediu para que fosse adiado por questões orçamentárias.

Após a publicação da medida provisória, as empresas interessadas terão que submeter seus projetos para avaliação dos ministérios da Fazenda e das Comunicações. Bernardo disse a previsão é que as liberações comecem a ser feitas a partir de julho.

Fonte: G1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!


Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.


Entrar Agora
0