SERVIDOR DE DOWNLOADS PARA TÉCNICOS!

É técnico? Então você precisa estar atualizado com um serviço de downloads exclusivo e profissional. O Clan SOFT é essencial para técnicos que não tem tempo para ficar procurando firmwares, softwares e procedimentos pela internet, como você.

www.clansoft.net/dl/

Entre para seguir isso  
Seguidores 0
Sr.Jo@o

Universal Serial Bus (USB)

3 posts neste tópico

1) Universal Serial Bus (USB)

Universal Serial Bus (USB) ou em português, Barramento Serial Universal é um tipo de dispositivo de conexão que foi projetado para preencher algumas lacunas deixadas pelos outros barramentos seriais. Foi desenvolvido por companhias do ramo de telecomunicações e de computadores pessoais. Estas companhias são: Compaq, Hewlett-Packard, Intel, Lucent, Microsoft, NEC, Philips. O USB , basicamente, tem como objetivo conectar periféricos externos ao computador sem que se tenha a necessidade de abrir o gabinete para instalar placas em slots e ainda permite alternar entre periféricos sem ter que desligar o PC. O USB traz ao usuário diversas vantagens como a versatilidade, a facilidade no uso e a alta velocidade.

O USB está cada vez mais difundido no mercado atual. Suas portas e conectores podem ser encontrados na sua maioria em sistemas Windows, iMac da Apple, G3 e G4 Power PCs rodando OS 9. Muitos produtos já saem de fábrica compatíveis com a porta USB e isso já é quase que um pré-requisito essencial para o sucesso do produto. A porta USB tem uma taxa de transferência 100 vezes mais rápida que a porta paralela de 25 pinos, a serial DB-9, DB-25 e RS-232 que são encontrados em vários computadores (quadro comparativo adiante).

A interface USB é mais comumente usada em conexões de periféricos de baixa à média banda, como câmeras digitais, leitores de cartões de memória Flash, joysticks, impressoras e scanners.

Comparando com o padrão de conexão de periféricos IEEE-1394 FireWire, o USB tem um custo bem inferior, sendo assim, o mais usado em periféricos domésticos de baixo e médio custo. Contrariamente ao FireWire, que é usado, por exemplo, comumente em estações de trabalho, servidores de grande porte e estações multimídia de edição de imagens.

Outro benefício que traz o USB é o fato de que permite que o dispositivo tenha tanto alimentação elétrica própria como alimentação via barramento. Na maioria das vezes, os que utilizam alimentação via barramento, esta se dá através do gabinete, e os de alimentação própria, por uma fonte própria.

Com relação aos cabos e conectores, o sistema de USB, é bastante simples. De modo a simplificar, usa somente um tipo de cabo e um tipo de conector em cada extremidade. São dois tipos de conectores, o conector que é ligado ao PC é achatado e o conector que se conecta ao periférico tem um formato quadrado(vide figuras). Os cabos de USB não podem exceder o limite de 5 metros de comprimento.

O crescimento do uso de dispositivos USB é vertiginoso, e estima-se que de 6 milhões de computadores em 1996 chegamos à mais de 700 milhões ao final de 2003.

A versão atual do USB, que é a 2.0, possui uma maior taxa de transferência de dados (480 Mbits/s) e mesmo assim não deixa de ser compatível com sua versão anterior, a 1.1. A nova versão é cerca de 40 vezes mais rápida que a anterior.

sr.jo@o

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

2) USB: Informação Básica

Para utilizar o USB não há necessidade de um software específico. Muitos dispositivos usam o software que precisam à partir do próprio sistema operacional ou então de algum CD ou disquete de instalação que vem de fábrica com o produto. O sistema operacional se encarrega de selecionar o software adequado para o seu dispositivo, dispensando um maior conhecimento do usuário. O usuário pode se utilizar do plug-and-play, não necessitando configurar nenhum recurso de hardware como IRQs, canais de DMA e endereços de I/O.

Também podemos encontrar hoje em dia as portas USB em laptops. Isso permite que o usuário possa facilmente compartilhar seus periféricos do laptop.

Existem muitos tipos de periféricos compatíveis com USB, vou citar alguns dos mais freqüentemente utilizados: câmeras digitais, modems, telefones, teclados, mouses, joysticks, drives de cd-rom, drives de disquete, drives de fita, scanners, impressoras, produtos que transmitem vídeo e muitos outros.

Uma área que promete em termos de crescimento futuro é o da integração entre telefone e computador, e o papel do USB é de grande importância para fornecer uma interface para os PABXs digitais e ISDN (Integrated Services Digital Network).

Em termos de custo, a existência do USB pouco afeta o preço final dos computadores de hoje em dia. Olhando por outro lado, pode-se dizer que até barateia os custos, devido ao fato de que o USB elimina a necessidade de placas adicionais e fontes elétricas extras nos PCs. Inclusive a capacidade de compartilhar periféricos reduz ainda mais o custo final para o usuário.

Existem muitas dúvidas referentes à quantidade de dispositivos USB que pode-se conectar de uma vez em um mesmo PC. Considerando que alguns dispositivos demandam alguma banda, o limite prático fica menor que o teórico que é de 127, isso mesmo, cento e vinte e sete dispositivos individuais simultaneamente! Existe ainda a possibilidade de se utilizar placas de PCI-USB que fornecem portas USBs adicionais, permitindo que ainda mais periféricos sejam conectados.

sr.jo@o

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

3) USB internamente

O cabo do barramento do USB é composto por quatro fios, +Vcc, +D, -D e o Ground.

O +Vcc fornece alimentação ao dispositivo USB que não tenha fonte própria. Num sistema USB, existem hubs e dispositivos que necessitam do +Vcc e outros que possuem alimentação própria. A voltagem nominal do +Vcc é de +5V.

O fios +D e –D, como utilizam uma alta taxa de transmissão, são entrelaçados entre si, e é por eles que os dados trafegam.

O Ground como o nome já diz é o fio terra. Na fotografia abaixo podemos ver bem definidos os fios conectados diretamente à uma placa-mãe. No esquema abaixo, pode-se ver como é o funcionamento interno dessas conexões.

Os resistores de pull-up mudam de posição de modo a definir se o dispositivo é de baixa ou alta velocidade. Quando não temos um dispositivo conectado à porta, os resistores de pull-down baixam +D e –D abaixo de um limiar de tensão para a detecção de um dispositivo conectado à porta. Caso este estado persista por um tempo maior que 2,5 µs reconhece-se como se o dispositivo foi desconectado. No caso inverso, se uma das duas tensões de +D ou –D for maior que o limiar de tensão, e isso se estender por mais de 2,5 µs reconhece-se como se um dispositivo foi conectado.

O USB funciona sob um protocolo de transferência. Sua transferência de dados se dá através de pacotes e começa quando o Controlador Host envia um pacote inicial(Token Packet) indicando a direção, o tipo de transmissão, o endereço do dispositivo USB e o referido número de endpoint. O sentido da transmissão dos dados pode ser tanto do dispositivo para o host com do host para o dispositivo. Assim, o dispositivo USB decodifica o campo de endereço, verificando se o pacote lhe é destinado. Depois, vem o pacote de dados(Data Packet) ou o sinal de que não há pacotes a serem transmitidos, e em seguida o destinatário responde com um pacote de Handshake(Handshake Packet) avisando que o pacote foi recebido com êxito.

O PID é a sigla para Packet Identifier e possui 8 bits. Os 4 bits mais significativos identificam o formato, o tipo e o tipo de detecção de erro utilizado no pacote e os outros 4 desses bits são bits que servem para checar a integridade dos dados.

No campo ADDR(Address), que possui 7 bits, encontramos o endereço do dispositivo USB que está trocando informações e portanto, limita o número de dispositivos USB para até 127.

Em ENDP(Endpoint) temos 4 bits e com ele permite-se um endereçamento mais flexível das funções em que mais de um Endpoint é necessário. No caso de um dispositivo ser um Hub com outros dispositivos conectados.

O campo de bits CRC(Cyclic Redundancy Checks) possui 5 bits. Este campo tem a função de informar ao destinatário se ocorreram erros durante o tráfego dos dados. Ele atua somente sobre os bits de ADDR e de ENDP visto que os bits de PID já possuem detecção de erros própria.

Acima, temos o esquema de um Pacote de Dados(Data Packet).

Os 8 bits de PID já foram descritos para o Token Packet e têm a mesma função.

Os 16 bits de CRC também tem a mesma função já citada, exceto pelo fato de que este CRC atua exclusivamente sobre os bits de dados(DATA)

O campo de dados(DATA) possui o tamanho de 0 à 8192 bits, variando de acordo com a quantidade de dados à serem transmitidos. Como estes pacotes só transportam números inteiros de bytes, falarei em quantidade de bytes e não mais de bits para o campo DATA. O tamanho máximo do pacote de dados para dispositivos de baixa velocidade é de 8 bytes, e para os de alta velocidade é de 1024 bytes.

Esta figura acima mostra a estrutura de um pacote de aperto-de-mão(Handshake Packet) e possui somente um campo, o PID de 8 bits. Este campo, nesse pacote específico, se restringe às seguintes informações: ACK, NAK, STALL basicamente. Para tráfego de alta velocidade temos ainda NYET e ERR.

O ACK é enviado ao emissor quando um pacote de dados sem erros chega ao receptor.

O NAK é enviado quando o receptor não pode aceitar pacotes de dados ou quando o emissor não pode enviar pacotes de dados.

sr.jo@o

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!


Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.


Entrar Agora
Entre para seguir isso  
Seguidores 0