Entre para seguir isso  
Reginaldo SanTana™

Desequilibra o mercado! Telefônica acompanha TIM e contesta fusão entre Nextel e Claro

1 post neste tópico

O grupo Telefônica, proprietário da Vivo, também se manifestou como parte interessada na venda da Nextel para a Claro. Com isso, teve o direito de se manifestar junto ao Cade (Conselho Administrativo da Atividade Econômica) sobre a fusão.

Para o grupo espanhol, existem três riscos que devem ser analisados pelo órgão antes de sua decisão final sobre a operação: market share, que ficaria favorável para a Claro, especialmente nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro - pensamento semelhante ao da TIM, que vê risco de duopólio - a infraestrutura de torres e concentração de espectro.

Sobre as torres, a operadora recomenda ao Cade a ampliação da investigação, consultando empresas que detêm essas estruturas. Segundo a Telefônica, a Claro, com a fusão, passa a ter uma quantidade elevada dessas torres nos estados já citados, o que pode provocar desbalanceamento comercial. Com relação aos espectros, a Telefônica não vê problemas de concorrências, mas entende que as frequências da Nextel estão subutilizadas, gerando mais vantagens para a Claro.

 

“Com a aquisição da Nextel Brasil pela Claro, esta operadora passaria, portanto, a ter uma quantidade ainda mais incrementada de espectro para ofertar serviços móveis, o que poderia criar distorções sobre a dinâmica competitiva do mercado de SMP.”

 Grupo Telefónica, em manifestação ao Cade

Conteúdo protegido!

    Você precisa efetuar um cadastro para visualizar links, imagens e muitas áreas do fórum.

Fusão sob análise: Oi e TIM têm visões diferentes sobre a compra da Nextel pela Claro

 

A compra da Nextel pela Claro, que deve pagar US$ 905 milhões (aproximadamente R$ 3,45 bilhões) está sendo julgada pelo Cade, órgão que avalia fusões e aquisições no Brasil. A autarquia convidou algumas empresas interessadas nesse processo de fusão para se manifestar sobre o assunto. Curiosamente, duas operadoras tiveram posições distintas em suas manifestações.

No caso da TIM, fica a preocupação com a competitividade no mercado de telefonia móvel. Em sua manifestação, a operadora diz que, caso a fusão se concretize, a Claro manterá a primeira posição isolada no estado do Rio de Janeiro, por exemplo - 7,6 milhões de clientes, ou mais de 2 milhões de assinantes em relação ao segundo colocado e mais que o dobro de quem ocupa a terceira posição). Em são Paulo, a margem em relação à TIM - terceira colocada e em condições de competir com a Claro - aumenta.

A TIM ainda afirma que a fusão trará um aumento de concentração de disponibilidade de espectro nas mãos de uma única operador, o que pode ser um diferencial competitivo, já que a Claro teria capacidades superiores às outras operadoras sem a possibilidade de equilíbrio.

Conteúdo protegido!

    Você precisa efetuar um cadastro para visualizar links, imagens e muitas áreas do fórum.
 

Grande parcela de mercado estará efetivamente concentrada entre somente 02 (duas) prestadoras (Claro e Vivo), as quais, de maneira combinada, controlariam quase 70% (setenta por cento) da participação de mercado em cada uma das citadas UFs, o que praticamente configura um cenário de duopólio em 02 (dois) dos 03 (três) Estados com maior população em todo o País. 

TIM, em manifestação ao Cade

Por outro lado, a Oi não viu maiores problemas na fusão. Em sua manifestação, a operadora vê a compra como movimento natural do mercado, vendo a questão de espectro como possibilidade para a Claro ampliar sua oferta de serviços. A companhia, além de não se opor ao negócio, chega até mesmo a justificar sua existência.

A Oi vê o mercado de telefonia celular (SMP) caracterizado por barreiras de entrada de novos atores de ordens regulatória e financeira. Uma nova empresa teria custos de difícil recuperação para instalação de infraestrutura de rede. Além disso, vê como cara a entrada no mercado de telefonia móvel, já que frequências são adquiridas a partir de processos licitatórios competitivos.

Conteúdo protegido!

    Você precisa efetuar um cadastro para visualizar links, imagens e muitas áreas do fórum.
 

Na perspectiva da Oi, a aquisição da Nextel pela Claro se justifica pela disponibilidade de espectro que a Nextel detém em importantes regiões do Brasil, como São Paulo. Isto possibilitará à Claro ampliar sua oferta de serviços – principalmente no mercado de SMP, além de consolidar seus ganhos de escala frente à tendência mundial para consolidação no mercado móvel em função dos altos custos envolvidos na implantação da tecnologia 5G e provimento de conteúdos de alto valor nos Estados de São Paulo e Rio de Janeiro.

 

Oi, em manifestação ao Cade

O argumento da Oi para ser parte interessada no processo é a sua preocupação com o mercado de Construção, Gestão e Operação de Infraestrutura de Telecomunicações, pois é cliente tanto da Claro quanto da Nextel.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
Entre para seguir isso